O QUE APRENDI COM KLAUSS

Zélia Monteiro

revistatkv-v2n10-3

10.4322

/

O objetivo desta dissertação de mestrado é pesquisar como a improvisação em
dança pode complexificar os modos como o corpo se comunica, na medida em
que desestabiliza padrões de movimento/pensamento, criando procedimentos
para construir vínculos e articular sentidos instáveis e inusitados. A
fundamentação da pesquisa parte de criações artísticas dirigidas pelo artista e
pesquisador brasileiro Klauss Vianna e de experimentos que vêm sendo testados por mim, individualmente e em grupo, desde 1988. Do ponto de vista conceitual, a dissertação relaciona debates propostos pela teoria corpomídia (KATZ; GREINER, 2015), que negam os entendimentos de corpo-recipiente e corpo-instrumento, ao conceito de gesto menor, de Manning (2016), e à definição de processos de individuação de Simondon (2009).  O
resultado esperado é colaborar com estudos que pesquisam a comunicação do
corpo de um ponto de vista não meramente instrumental, mas como
procedimentos para indagar, política e filosoficamente, a possibilidade de
novas formas de vida e vínculos afetivos.